domingo, 31 de março de 2013

Oscar Wilde

(...)
"cada um mata o que adora:
o seu amor, o seu ideal.
Alguns com uma palavra de lisonja,
outros com um duro olhar brutal,
O covarde assassina dando um beijo,
o bravo, mata com um punhal.
Uns matam o próprio amor quando ainda jovens,
Outros o fazem na velhice;
Uns estrangulam com as mãos da luxúria,
Outros com a mão de Ouro,
O que é bondoso faz uso do punhal,
Porque a morte assim vem mais depressa.
Há corações vendidos, e há comprados;
uns amam, pouco, outros demais;
há quem mate a chorar, vertendo lágrimas,
ou a sorrir, sem dor, sem ais.
Pois todo o homem mata o objeto do seu amor
E, no entanto, nem todo homem é condenado à morte."
(...)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Um comentário vale mais que mil palavras! Thanks :)