segunda-feira, 15 de abril de 2013

José Luís Nunes Martins 4#

A morte que trazemos no coração - ilustração
(...) Um olhar atento sobre o mundo humano fará perceber sem dificuldade que a paciência é a sabedoria posta em prática. Mais se conquista com a determinação de um fundo que não esmorece, do que com forças explosivas que tão depressa aparecem como se desvanecem sem deixar rasto. Qualquer caçador ou pescador, artista ou cientista, poeta ou general, saberá que os bons resultados demoram, sempre. É essencial pois dominar a ânsia de precipitar e manipular os tempos. O homem não é senhor do tempo, mas pode e deve ser senhor de si mesmo. Os fardos da nossa existência carregam-se de forma mais tranquila quando nos damos conta do vigor que temos para os transportar. Quando percebemos que a força dos ombros é maior que o peso da cruz. O tempo não se respeita senão a si mesmo, segue o seu ritmo sem cuidar de se demorar neste intervalo mais do que naquele... quase tudo passa, quase tudo cresce e quase tudo morre. Há tempo para tudo, saiba o homem aproveitar aquele em que lhe é dado ser... quase tudo!Claro que parece sempre pouco o tempo de quem tarde se dá conta desta essência dinâmica da vida. Mas, ainda assim, será bem mais sábio ajustar-se ao ritmo natural da sua existência do que tentar recuperar tempos desperdiçados, numa lógica que abdica do hoje tentando sempre sem sucesso resgatar o ontem, não se dando conta do amanhã que também desaparecerá se se continuar perdido dentro da sua própria vida. (...) Por isso nos enganamos muitas vezes, quando à pressa, complicamos com imaginação aquilo que o tempo preencheria com simplicidade. (...) Mas uma espera obriga a suportar todo o tipo de ataques, exteriores e interiores. As esperas doem. As esperas fazem sofrem. Quando vivemos na paciência, somos senhores da renúncia e escravos da liberdade... optamos por uma guerra profunda contra o pior de nós mesmos. (...) As esperas permitem descobrir e filtrar entre os homens aqueles que têm maior valor... são os que ficam, quando os outros, entretanto, se foram - levados por uma força qualquer daquelas que se alimentam das nossas fraquezas. (...) A esperança é a arte da espera. Há que ser paciente perante a dúvida, diante da pressa, face a face com os pesadelos reais. O homem paciente vive acima do seu sofrimento. Constante na sua firmeza, sofre mas faz o seu caminho para diante. Carrega a vida e a dores com as suas esperanças, numa paz que é a suprema coragem.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Um comentário vale mais que mil palavras! Thanks :)